05/12/2018 - 16:49:00

Partidos fazem 1ェ reuni縊 formal para fechar bloco e isolar PSL

Lderes de 15 partidos fizeram a primeira reuni縊 formal para criar um bloco que pode isolar o PSL de Jair Bolsonaro e o PT na distribui鈬o de cargos de comando na C穃ara a partir de 2019.

Com a negocia鈬o, o grupo dominaria as vagas na cpula da Casa e nas comisses que discutem projetos de lei. O acordo deve ser fechado nos prximos dias.

A forma鈬o do bloco deve reduzir a participa鈬o na C穃ara dos dois partidos que tiveram o melhor desempenho na ltima elei鈬o. Os petistas saram das urnas com 56 das 513 cadeiras. O PSL, com 52.

Tradicionalmente, as maiores bancadas t麥 direito a cargos de comando na Mesa Diretora, al駑 do controle de algumas das principais 25 comisses permanentes, mas o bloco articulado nesta quarta-feira (5) deve barrar essa pretens縊.

A articula鈬o do grupo foi noticiada pela Folha de S.Paulo na segunda-feira (3). Fazem parte das negocia鋏es PP, MDB, PSD, PR, PSB, PRB, PSDB, DEM, PDT, Solidariedade, PTB, PC do B, PSC, PPS e PHS. Caso seja formalizado, o bloco reunir 340 deputados -o equivalente a 66% da C穃ara.

Lderes que participaram do encontro afirmaram que o objetivo n縊 isolar PSL e PT, mas criar um grupo que atue de maneira independente, sem vnculos com o Pal當io do Planalto ou com a oposi鈬o.

Na pr疸ica, por駑, a forma鈬o do bloco evita que o governo e os petistas assumam for軋 expressiva na C穃ara, o que reduziria o poder de barganha dessas legendas.

A composi鈬o desse grupo deve determinar a distribui鈬o dos principais cargos da Mesa Diretora e das comisses da C穃ara entre esses partidos. Com isso, eles ter縊 poder para disciplinas a condu鈬o de vota鋏es e questes administrativas da Casa.

A rigor, a forma鈬o de blocos tamb駑 n縊 assegura automaticamente os postos de comando na C穃ara, que s縊 definidos por meio de elei鋏es secretas. O objetivo do bloc縊, por駑, firmar um acordo entre as siglas de apoio mtuo aos candidatos Mesa e 灣 principais comisses.

O acordo repete uma estrat馮ia adotada por Eduardo Cunha (MDB) em 2015. Ele derrotou na 駱oca o candidato da ent縊 presidente Dilma Rousseff (PT), Arlindo Chinaglia (PT-SP), e se elegeu presidente da C穃ara por meio de um acordo que excluiu o PT dos principais postos de comando.

PT e PSL poder縊, ainda, lan軋r candidatos prprios presid麩cia da C穃ara -cargo mais almejado, por ser o segundo na linha sucessria da chefia do Executivo, al駑 de ter o poder de definir a pauta de vota鋏es e de barrar ou dar sequ麩cia a pedidos de impeachment.

H v疵ios nomes sendo discutidos para o posto nesse bloc縊, mas o discurso o de que primeiro preciso formar o grupo para depois escolher candidato.

O atual presidente da Casa,Rodrigo Maia (DEM-RJ), um dos citados. Ele tem apoio na esquerda por n縊 ter, em sua gest縊,tratoradoa oposi鈬o.

Mas sofre resist麩cia em sua prpria legenda. O futuro ministro da Casa Civil de Bolsonaro, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), trabalha contra ele. Alguns partidos dizem que sua reelei鈬o representaria excessiva concentra鈬o de poder no DEM, que j tem tr黌 ministros no novo governo.

Outros nomes do bloc縊 s縊 o do atual vice-presidente da C穃ara, F畸io Ramalho (MDB-MG), do 1コ secret疵io, Giacobo (PR-PR), do lder do PP, Arthur Lira (AL) -que t麥 bom tr穗sito com o chamado baixo clero, deputados de pouca express縊 nacional que representam a maioria da Casa?, e de Alceu Moreira (MDB-RS), da bancada ruralista e apoiador de Bolsonaro.



Cr馘ito Mat駻ia: Por FolhaPress
Cr馘ito da imagem: Reprodu鈬o