06/11/2018 - 16:55:00

Piloto preso em MS suspeito de integrar quadrilha de tr畴ico internacional

Polícia Federal cumpriu mandado de prisão em Mato Grosso do Sul, e em outros cinco estados, nesta terça-feira (6), durante a Operação Escalada, que tem como objetivo desarticular organização criminosa que atua no tráfico internacional de cocaína. Um piloto foi preso em Corumbá, suspeito de integrar a quadrilha.

Segundo informações da Polícia Federal do Mato Grosso, no total, foram cumpridos 42 mandados, sendo quatro de prisão preventiva, 14 de prisão temporária e 24 de busca e apreensão. Mandados foram cumpridos em Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo, Rondônia e Amazonas.

No Estado, o mandado de prisão preventiva foi cumprida em Corumbá. De acordo com o Diário Corumbaense, o suspeito já estava preso no Estabelecimento Penal do Município e foi escoltado até a Delegacia da PF, onde foi ouvido e recolhodo novamente ao presídio. O nome não foi divulgado pela polícia.

Segundo a PF, investigações começaram há aproximadamente dez meses. Foi constatado que o grupo obtinha a droga na Bolívia e trazia para o País a partir da fronteira com o Mato Grosso, por meio de aeronaves que pousavam em pistas clandestinas.

Após o posuo, a droga era embarcada em fundos falsos de caminhões, onde eram transportadas para outros estados, tendo São Paulo como o principal destino. Grande parte dos veículos e aeronaves usados pela quadrilha eram comprados em nome de pessoas que não existem.

Investigações também apontaram que o grupo movimentava grande quantidade de dinheiro. Durante a operação, foram apreendidos 3,7 toneladas de pasta base de cocaína, uma aeronave bimotor e vários veículos usados no transporte da droga e que foram comprados com dinheiro do tráfico.

As ações, ainda em andamento, ocorrem em Corumbá(MS), Cuiabá, Várzea Grande, Santo Antonio de Leverger, Poconé, Cáceres, Rondonópolis, Alto Araguaia, Manaus(AM), Paulinia (SP), Bauru (SP), Uberlândia (MG) e Vilhena (RO).

Operação Escalada

O nome da operação é em razão de alguns dos principais investigados terem experimentado um grande aumento patrimonial em tempo reduzido sem qualquer ocupação lícita que as justifique, tais como uma cobertura em edifício de luxo e outros imóveis em Cuiabá. 



Cr馘ito Mat駻ia: Por GLAUCEA VACCARI
Cr馘ito da imagem: Divulga鈬o